quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Reencontro



REENCONTRO


A distância que mata e fere,
é a mesma que aproxima e ama...

A saudade que a presença reclama,
é a mesma que a memória prefere.

Se a lembrança registra o sentir,
dele se nutre, a esperança porvir.

E o milagre da espera, concretiza,
o sentir que se estabelece, eterniza...

A distância que fere e mata,
é a mesma que nos apaixona e mima...

E no futuro proclama a crença,
que ergue a chama, da nossa vitória,

no encontro que se administra,
real, verdadeiro, e se imortaliza.


Nice Aranha
Sereia Noturna

Um comentário:

Odair Ribeiro disse...

Visitando, lendo belos poemas.


Vou, volto.