domingo, 4 de setembro de 2011

Sorvo de Amor



SORVO DE AMOR


Uma longa distância se encurtou,
quando à porta do quarto adentrou,
logo a chama do amor acendeu,
não eram falsas as juras trocadas,

aninhada em teus braços descobri,
a cor e o sabor da maior emoção
a gemer de prazer os nossos carinhos,
nos corpos suados em êxtase...

Vi-me em teus olhos e senti os teus lábios,
deslizei as minhas mãos no teu corpo
enquanto as tuas tocavam minha pele,
cada pedaço de ambos, então desvendados.

Nenhuma distância se presenciou,
quando no leito se concretizou,
o fogo de eras, vidas, que nos emudeceu,
e em breves segundos seguidas palavras,

sussurros, gritos, murmuros... Cobri
o instante de paixão, emoção e tesão,
a viver desmedida todos teus empenhos,
de candura e ternura repletos, a base,

gerando o desejo e a vontade, sábios,
misturando e embalando... E o esquenta-corpo,
escorregando devagar, acelerando a febre
que nos deixa os corpos repletos e de amor saciados.


Nice Aranha
Sereia Noturna

2 comentários:

Manoel disse...

Muito lindo seu blog, e muito boas as fotos e postagens. cada conto, cada poesia faz a gente imaginar e sonhar, sendo impossível que aja tristeza aqui. Parabéns e agradeço a visita.
Abraços...
Manoel

Sereia Noturna disse...

Muito obrigada, Manoel, volte sempre. Abraços